Melhores leituras de 2018


Fazendo uma retrospectiva de como foi meu ano em livros



2018 foi um ano complicado, mas minhas leituras foram coisas muito agradáveis e das quais não posso reclamar de jeito nenhum. Vou trazer nessa postagem as dez leituras que mais marcaram meu ano. Vou colocar aqui por ordem de data, sem especificar nenhuma ordem de preferência. 

Caso deseje adquirir qualquer um dos livros, os links estarão nos títulos. Comprando por esses links, você me ajuda com uma pequena comissão da Amazon, sem acrescentar nada em sua compra. 




Essa foi uma das leituras que mais me encheram de expectativas durante o ano de 2017, enquanto as pessoas recomendavam e enlouqueciam. Foi o livro que li na virada do ano e que me deixou de boca aberta em muitos aspectos. A escrita de Octavia é impressionante pela riqueza de detalhes, pelas caracterizações de personagens e por nos carregar por uma espiral bem intensa a cada página. Recomendação certeira, sempre vou me lembrar e mencionar essa preciosidade. 






Aproveitando o burburinho da premiação do Oscar, resolvi embarcar no livro de André Aciman, não realmente esperando muitas coisas. Então a surpresa foi real. A escrita de Aciman é algo que apaixona desde a primeira leitura, onde o encadeamento de frases realiza uma dança bem diante de nossos olhos. É apaixonante, antes mesmo que possamos embarcar nos personagens. Belo carinho para quem gosta de boa escrita e profundidade a cada linha. Quero muito ler o outro livro do autor, Variações Enigma.



3. Peter Pan




Essa é uma daquelas obras que a gente se sente tão familiar com o zilhão de adaptações feita, a ponto de temer que a obra original não seja lá essas coisas. Foi apenas por causa desse texto da Fernanda Castro que acrescentei essa obra de J.M. Barrie à minha meta de 2018.
Peter Pan é um daqueles livros que deixa a gente pensando na vida, especialmente na perda da magia à medida que ficamos mais velhos e deixamos coisas que antes nos encantavam para trás. É uma obra de camadas, que não deixa de entreter crianças, e faz os adultos procurarem um pouco pela sombra perdida ou por aquele pensamento feliz que nos lembra como é voar.





Estou sempre antenada nos lançamentos de Rick Riordan e, assim que esse livro ficou disponível em meu kindle, corri para ler. Mesmo sempre sendo a entusiasta das histórias do Tio Rick, não estava preparada para a montanha-russa de emoções que esse terceiro volume da série de Lester Papadopoulos. Geralmente as sagas de Rick tem um andamento padrão e por isso mesma fui pega de surpresa pelo que ele trouxe para cá. Foi um livro que não só mudou os rumos de As Provações de Apolo como traz uma maturidade para a escrita de Rick.

5. Grande Magia





Esse foi outro que incluí na minha lista de leituras por indicação, dessa vez Lady Sybylla. E foi um livro que veio num momento de reavivar meu ânimo com a minha porção criativa. Daqueles que você precisa ter sempre por perto e reler umas mil vezes.





6. O Conde de Monte Cristo






Outro clássico que eu tinha medo de encarar, mas resolvi encarar durante esse ano. O livro é enorme, mas acaba engolindo a gente pela multiplicidade de histórias, personagens e tramas. A determinado ponto você até esquece que essa é a história de Edmond Dantès.

7. Tomates verdes fritos




Esse foi o ano dos livros indicados, e essa foi uma das leituras mais deliciosas e envolventes que fiz. A escrita de Fannie Flagg consegue envolver, e as idas e vindas da narrativa que escapa muito da linearidade nos prende nas páginas que se seguem. Saudades da Parada do Apito.



8. O Evangelho Segundo Jesus Cristo






Primeira leitura de Saramago na vida e não há como negar a maravilhosidade da literatura desse homem. Impressionante pela escrita e principalmente pela forma com que alfineta o pensamento religioso cristão. Faz com que a gente pense em muitas das coisas que pensamos sobre religião e espiritualidade, além de dar uma profundidade intensa a personagens que conhecemos tanto. Recomendado depois de uma boa lida nos quatro evangelhos na Bíblia.



9. O auto da Maga Josefa




Delícia de história, com uma viagem gostosa pelo Agreste, com personagens encantadores e histórias apaixonantes. A Paola foi essa lufada de ar fresco e me fez lembrar porque abrir os olhos e prestar atenção nos autores independentes vale a pena. Dê uma chance, você não vai se arrepender. 

10. Jane Eyre



As irmãs Brontë nunca deixam por menos e Jane Eyre foi o livro que eu precisava nessa reta final de 2018. Dei mais detalhes aqui na resenha, mas esse livro me surpreendeu por uma protagonista que contrasta com o que normalmente espero de livros do século XIX e acompanhar esse romance de formação, com todo o amadurecimento de Jane e sua tomada de poder do próprio destino é recompensador. Mal dá pra sentir o tempo passar. 

E você, quais foram as leituras que mais fizeram o seu ano de 2018?






Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.