28 de dez de 2015

Retrospectiva 2015: Livros que li

Pra continuar esses especiais de retrospectiva de 2015, agora quero relacionar a vocês os livros que li e que mais me encantaram durante esse ano. Segue as recomendações.



As Meninas - Lygia Fagundes Telles

Sinopse: Não foram muitos os escritores que, no auge da ditadura militar no Brasil, abordaram em seus textos temas como a repressão e a tortura e escreveram obras de contestação como As meninas , de Lygia Fagundes Telles. Livro árduo, dolorido e lindo, As meninas relata os conflitos no relacionamento de três jovens que têm entre si um ponto em comum, a solidão, e como pano de fundo os governos militares. Três universitárias compartilham com algumas freiras um pensionato em São Paulo. Ana Clara gosta de um traficante e vive drogada. Lia briga contra o regime. Lorena, filhinha de papai, ajuda as outras duas com dinheiro. Lia se envolve com Miguel, que é preso e trocado por um diplomata. Sem ligar para a política ou as drogas, Lorena se apaixona por um médico casado e pai de cinco filhos. Um enorme espaço separa o universo das pensionistas e seus dramas das religiosas, que se apavoram com a liberdade das três moças. Cada uma das personagens é um poço de conflitos e monólogos interiores que vêm à tona através das confidências íntimas de cada uma e que se ligam à miséria política e cultural da época. O texto de Lygia Fagundes Telles não cai na vulgaridade, não se banaliza apesar do tema. A linguagem é coloquial e expressiva e os diálogos abandonam as conveniências formais. As meninas de Lygia são, afinal, as jovens do nosso tempo, saídas da adolescência e ingressando na plenitude da mocidade. Nada mais atual. Apontada pela crítica como um sucesso absoluto, As meninas é uma obra que resultou do esforço de três anos de trabalho dessa autora perseverante, que valoriza a palavra e mostra, através de seus textos, a luta de todos nós em defesa da liberdade.

As Meninas se tornou um marco para mim no modo fundamental, fazendo com que eu repensasse minha vida como escritora, não só pela utilização de técnicas como fluxo de de consciência e polifonia de vozes como pela maravilhosa construção de personagens femininas tão plurais e fascinantes em plena ditadura militar brasileira.

As Brumas de Avalon -  Marion Zimmer Bradley


Sinopse: Neste enorme e emocionante romance, a lenda do rei Artur é contada pela primeira vez através das vidas, das visões e da percepção das mulheres que nela tiveram um papel central. Igraine, Viviane, Guinevere, Morgana. Elas revelam, com as suas vidas e sentimentos,a lenda de Artur, como se fosse nova de, ao mesmo tempo, levam o leitor a integrar-se na história, de maneira natural e profunda. Assim, esta obra proporciona uma narrativa soberba de uma lenda, e a recriação dessa lenda, bem como a brilhante contribuição para a literatura do ciclo arturiano.

Depois de tantas recomendações, acabei me rendendo à leitura e não me arrependi um segundo sequer. A visão de Marion das lendas arturianas, que já me encantavam desde que me entendo por gente, tomou um outro vulto pelo protagonismo das personagens femininas. Foram quatro livros que tomaram boa parte do meu ano e que preencheram meu imaginário de modo marcante.





Sejamos Todos Feministas - Chimamanda Ngozi Adichie

 

Sinopse:  Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente do dia em que a chamaram de feminista pela primeira vez. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. “Não era um elogio. Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: ‘Você apoia o terrorismo!’”. Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e começou a se intitular uma “feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os
homens”. Sejamos todos feministas é uma adaptação do discurso feito pela autora no TEDx Euston, que conta com mais de 1,5 milhão de visualizações e foi musicado por Beyoncé. 

Essa foi a única coisa que consegui ler da Chimamanda  por enquanto, mas quero mudar esse panorama no próximo ano. Sejamos Todos Feministas foi um daqueles livros gratuitos para Kobo que achei e logo coloquei no meu aparelho, lendo em pouco mais de duas horas. Para quem não sabe, esse livreto é a transcrição do TEDxEuston da autora, onde ela fala do que é feminismo para ela. É praticamente uma introdução ao termo e, mais importante do que isso, uma ótima argumentação contra o medo que a palavra com f inspira em muitas pessoas. Recomendo.

O Morro dos Ventos Uivantes - Emily Brontë

 

Sinopse: Único romance escrito por Emily Brontë, O MORRO DOS VENTOS UIVANTES, foi publicado em 1847 e atribuído a um certo Ellis Bell. Hoje considerado um clássico da literatura inglesa, caracterizado como uma história de amor amaldiçoado e de vingança, e visto como a mais intensa história de amor já escrita na língua inglesa, recebeu fortes críticas no século XIX, época em que foi lançado. Um ano antes, as três irmãs Brontë Charlotte, Emily e Anne haviam publicado uma coletânea de poemas em nome de Currer, Ellis e Acton Bell. Nos círculos literários ingleses era crença generalizada que as Irmãs Brontë e os Irmãos Bell fossem as mesmas pessoas. No entanto, o simples crédito deu margem a controvérsias: que Bell seria, realmente, qual das irmãs Brontë? O MORRO DOS VENTOS UIVANTES já foi adaptado mais de vinte vezes para o cinema, rádio e TV. A versão de William Wyler de 1939, estrelada por Merle Oberon como Cathy e Laurence Olivier como Heathcliff, é considerado um dos grandes clássicos do cinema até os dias de hoje, indicado para sete categorias da mais importante premiação do cinema e vencedora do prêmio por sua fotografia; as versões mais recentes são as de 1992, estrelada por Juliette Binoche e Ralph Fiennes, e uma modernização para os dias de hoje, produzida pela MTV em 2003.

Esse livro é aquele que suscita sentimentos de amor ou ódio em quem o lê: não existe meio termo. Sou do time que ama, pois Emily nos apresenta um protagonista falho e imperfeito (que contrasta loucamente com a perfeição dos protagonistas masculinos que encontramos nos livros da atualidade). Não é uma história para ser romantizada ou desejada, mas sim uma história de obsessão doentia e destruição, afinal nem sempre o amor é uma coisa boa, saudável e redentora.

Todos Nós Adorávamos Caubóis - Carol Benismon

Sinopse: Cora e Julia não se falam há alguns anos. A intensa relação do tempo da faculdade acabou de uma maneira estranha, com a partida repentina de Julia para Montreal. Cora, pouco depois, matricula-se em um curso de moda em Paris. Em uma noite de inverno do hemisfério norte, as duas retomam contato e decidem se reencontrar em sua terra natal, o extremo sul do Brasil, para enfim realizarem uma viagem de carro há muito planejada. Nas colônias italianas da serra, na paisagem desolada do pampa, em uma cidade-fantasma no coração do Rio Grande do Sul, o convívio das duas garotas vai se enredando a seu passado em comum e seus conflitos particulares; enquanto Cora precisa lidar com o fato de que seu pai, casado com uma mulher muito mais jovem, vai ter um segundo filho, Julia anda às voltas com um ex-namorado americano e um trauma de infância.

Esse é o livro para encher a boca e dizer: protagonista bissexual feminina! Quem me segue sabe que isso é uma das minhas metas em escrita, sobre o que escrevo. Só por isso o livro já valeria a pena. Mas Todos Nós Adorávamos Caubóis tem uma escrita agradável e uma história absolutamente realista.



Magnus Chase e os Deuses de Asgard 1: A Espada do Verão - Rick Riordan

 

Sinopse:  Às vezes é necessário morrer para começar uma nova vida...

A vida de Magnus Chase nunca foi fácil. Desde a morte da mãe em um acidente misterioso, ele tem vivido nas ruas de Boston, lutando para sobreviver e ficar fora das vistas de policiais e assistentes sociais. Até que um dia ele reencontra tio Randolph - um homem que ele mal conhece e de quem a mãe o mandara manter distância. Randolph é perigoso, mas revela um segredo improvável: Magnus é filho de um deus nórdico.

As lendas vikings são reais. Os deuses de Asgard estão se preparando para a guerra. Trolls, gigantes e outros monstros horripilantes estão se unindo para o Ragnarök, o Juízo Final. Para impedir o fim do mundo Magnus deve ir em uma importante jornada até encontrar uma poderosa arma perdida há mais de mil anos. A espada do verão é o primeiro livro de Magnus Chase e os deuses de Asgard, a nova trilogia de Rick Riordan, agora sobre mitologia nórdica.

Rompi meu ciclo de leitura exclusiva de autoras femininas por causa da estreia da nova saga de Rick Riordan, Magnus Chase e os Deuses de Asgard. Mas foi por uma ótima causa, afinal Rick entregou tudo e mais um pouco do que esperava: ação, aventura, uma linda abordagem da mitologia nórdica e personagens marcantes. Que venha a continuação. 

A Coroa de Ptolomeu - Rick Riordan


Sinopse: Depois do encontro de Percy e Carter, em O filho de Sobek, e de Annabeth e Sadie, em O cajado de Serápis, enfim chegou a hora de os quatro se unirem em uma divertida aventura mágica em um novo conto que une as séries de mitologia greco-romana e egípcia de Rick Riordan.

Em A coroa de Ptolomeu, Percy e Annabeth abrem mão de pegar um cinema no sábado para resolver um assunto bem chato: deter o espalhafatoso e lendário mago Setne, que mais parece um cruzamento de Elvis Presley com Prince versão 1980. Munido com o Livro de Tot e unindo as magias grega e egípcia, Setne - cuja história é contada em A sombra da serpente e que é relembrado em O cajado de Serápis - está tentando unir as duas coroas, do Baixo Egito e do Alto Egito, para se tornar um deus imortal.

Mais uma vez Rick Riordan, dessa vez na continuação dos e-books crossover entre Percy Jackson e os Olimpianos e As Crônicas dos Kane. Dessa vez tivemos o presente do encontro dos 4 protagonistas, em uma dinâmica de encher os olhos. 

A Bela e a Adormecida - Neil Gaiman

 

Sinopse: Em uma sombria e fascinante história, as mais queridas princesas dos contos de fadas são reinventadas de maneira brilhante pelo inglês Neil Gaiman e o ilustrador Chis Riddell. Em A Bela e a Adormecida, uma jovem rainha é informada, na véspera de seu casamento, sobre uma estranha praga que assola as fronteiras do seu reino, um sono mágico que se espalha pelo território vizinho e ameaça os seus domínios. Na companhia de três anões, a rainha abandona o fino vestido da festa, pega sua espada e armadura e parte pelos túneis dos anões para o reino adormecido. Uma viagem repleta de ação e suspense que leva a uma surpreendente descoberta. Misturando o conhecido e o novo com perfeita sintonia, Gaiman cria mais uma obra repleta de magia e aventura capaz de hipnotizar o mais exigente dos leitores.

Neil Gaiman melhorou meu ano ao lançar essa obra tão valiosa como A Bela e a Adormecida. Um conto de fadas diferenciado, que não só encanta e deixa a gente de boca aberta como trabalha com maestria o protagonismo feminino. 

E você, quais os livros que leu e gostou em 2015?

4 comentários:

  1. Hey, there!

    Passando pra dizer que fico muuuito feliz que tenha lido Todos Nós Adorávamos Caubóis e que, assim como eu, adorou! (aliás, tô pensando em relê-lo nessas férias!). Tô louca para ler a Princesa Adormecida, com certeza, mas primeiro quero ler O Oceano no Fim do Caminho (acabei comprando e é a minha próxima leitura <3). Tô louca pra, finalmente, conhecer a literatura do Gaiman! Ah, tô com o livro da Chimamanda para ler também. Fico triste por eu nunca ter terminado As Meninas. E, com certeza, quero terminar As Brumas de Avalon, só li o primeiro, no ano passado.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Ótima restrospectiva! Pra mim é mais uma lista de recomendações de novas leituras para 2016 (além da minha -já extensa- lista de leitura [um dia eu irei terminá-la {acho}])

    Os títulos parecem ser tão densos e bem trabalhados, justamente o que dá sabor ao livro ^.^

    Gostei bastante de As Meninas e A Bela e a Adormecida, são dois pontos que quero adicionar à minha biblioteca: mais títulos nacionais e Neil Gaiman (que ainda não li nenhum :shame on me:)

    ResponderExcluir
  3. Ótima restrospectiva! Pra mim é mais uma lista de recomendações de novas leituras para 2016 (além da minha -já extensa- lista de leitura [um dia eu irei terminá-la {acho}])

    Os títulos parecem ser tão densos e bem trabalhados, justamente o que dá sabor ao livro ^.^

    Gostei bastante de As Meninas e A Bela e a Adormecida, são dois pontos que quero adicionar à minha biblioteca: mais títulos nacionais e Neil Gaiman (que ainda não li nenhum :shame on me:)

    ResponderExcluir
  4. Adorei sua retrospectiva Marcia ;) A minha saiu hoje no blog <3
    Dos livros citados só li Sejamos todos feministas e O Morro. E são dois livros que eu adoro demais. E todos os outros da lista, eu desejo ler :3 Falei que sua lista está maravilhosa :)
    Em 2015 eu li mais de 100 livros - A Surtada kkkk. Li muita coisa boa, mas também li cada coisa que vou te contar :P
    beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e volte sempre! Seu comentário é sempre importante e bem vindo.

Lembre-se que você é livre para se expressar, desde que com respeito e sempre respeitando o espaço das outras pessoas.

Comentários racistas, misóginos, lgbtfóbicos ou que incitem ódio e/ou violência serão excluídos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...